Crise de confiança como nunca antes. É o que o mundo vive hoje – na mídia, nas redes sociais, nas corporações, nos governos e por aí vai.
O que fazer para construir confiança em tempos de tanta descrença? Neil Pasricha, autor do best-seller The Book of Awesome, propõe 3 ações principais em sua mandala da confiança:

1) Na era de infinitas escolhas, o valor da curadoria é enorme. Cardápios com dezenas de opções dão lugar ao menu do chef; newsletters com a pré-seleção dos temas de interessa ganham mais e mais adesão. Mesmo que a curadoria seja feita por algoritmos, como as sugestões de filmes e séries na Netflix e de músicas pelo Spotify.

2) Deixemos AI para as coisas que o algoritmo faz melhor que a gente. O fator humano é cada vez mais valioso e desejado. Muitas empresas têm caído no erro de substituir funções que demandam empatia às máquinas.

3) Estar de corpo e alma em algo e mostrar isso. Ninguém mais aguenta marcas e pessoas que são tudo ao mesmo tempo. Marcas “minimalistas” são as mais admiradas, pois suas propostas são simples e claras.
Para coroar sua sessão com o toque humano e a empatia esperados, Pasricha convidou Frank Warren, criador do projeto Post Secrets, no qual recebe pelo correio segredos de pessoas anônimas em cartões postais. Clique aqui para conhecer o projeto, vale a pena!